Tecnologia do Blogger.

Quem era, de fato, Maria Madalena?


Quem foi realmente esta mulher extraordinária, incomum que nos toma de curiosidade e arrebata nosso coração com tantas lendas ou histórias a seu respeito, depois de dois milênios de sua passagem pela Terra?

A ligação errônea das passagens evangélicas que falam dela levou a identificá-la com a pecadora (prostituta?) que ungiu os pés de Jesus (Lc 7,36-50). E esse erro, infelizmente, virou verdade de fé. O inconsciente coletivo guardou na memória a figura de Maria Madalena como mito de pecadora redimida. Fato considerado normal nas sociedades patriarcais antigas. 


A mulher era identificada com o sexo e ocasião de pecado por excelência. Daí não ser nenhuma novidade a pecadora de Lucas ser prostituta e a prostituta ser Maria Madalena. Lc 8,2 cita nominalmente Maria Madalena e diz que dela "haviam saído sete demônios". Ter demônios, segundo o pensamento judaico, é o mesmo que ser acometido de uma doença grave. 

No cristianismo, o demônio foi associado ao pecado. No caso da mulher, o pecado era sempre o sexual. Nesse sentido, a confusão parece lógica. Mas não o é, se levarmos em consideração o valor da liderança exercida por Maria Madalena entre os primeiros cristãos, bem como a predileção de Jesus por ela. Entre os discípulos judeus, considerar Maria Madalena como prostituta significava também subestimar o valor da mulher enquanto liderança. Os pais da Igreja seguiram essa linha de pensamento.

Em fragmento apócrifo encontramos os nomes das nove mulheres que vão ao sepulcro, na manhã de domingo. Salomé é chamada de a sedutora. Uma mulher é chamada de a pecadora, da qual Jesus tinha dito: "Teus pecados te são perdoados". De Maria Madalena não se diz nada, o que nos mostra que Maria Madalena não é vista como prostituta pelas primeiras comunidades.


Maria Madalena, tida como prostituta está ligada a Maria, mãe de Jesus e virgem pura por excelência. Este titulo foi adquirido em 595 d.C. pelo papa Gregório que decidiu que as marias dos evangelhos seria a madalena. "No plano dos arquétipos, a figura mítica da meretriz penitente é estritamente conexa com aquela da Virgem mãe, e constitui em certo sentido a outra vertente do mesmo mecanismo psicológico. Virgindade e maternidade, antes de serem duas opções possíveis entre as inumeráveis escolhas essenciais, são símbolos arquetípicos que, absolutizados e referidos às mulheres como modelos de comportamento concreto, refletem uma visão da realidade exclusivamente machista. 

Acabam sendo funcionais ao perpetuarem imóveis este modelo de realidade. Nesta perspectiva, a mulher não-virgem-não-mãe constitui o arquétipo feminino negativo por excelência: a Prostituta ou, em todo caso, a Tentadora. Além disso, tanto a Virgem Maria Toda Pura, quanto a Pecadora Penitente Toda Impura, apesar de opostas, são definidas exclusivamente com base no sexo e na feminilidade percebida como uma realidade 'oposta' (...). Enquanto Maria de Nazaré é a Mãe assexuada, Maria de Mágdala se torna a mulher, a Outra. Num contexto religioso totalmente machista, a Outra deve ficar num estado de inferioridade, portanto 'dominável', por definição e por princípio" .

Tanto Maria Madalena como Maria, a mãe de Jesus, são personagens que marcaram o cristianismo. A diferença está em descobrir que nos apócrifos Maria Madalena não era a prostituta e Maria, a mãe, não deixou de ser mulher para ser a mãe do Salvador.
O teólogo e psicólogo Jean Yves Leloup em sua tradução do copta do Evangelho de Maria nos revela uma visão bastante abrangente desta figura bíblica, até comparando-a a visão dos evangelistas canônicos. 

Senão vejamos:
No Evangelho de Felipe (logion 32,55 e 60) vemos uma mulher discípula, amiga privilegiada, íntima de Jesus.

Em Lucas 7,40-50 ela aparece como uma mulher purificada pelo amor e que, por este amor, cumpre plenamente a lei. 
Já em Lc8,1-3; 7,36-40 ela é descrita como uma mulher "possessa" e pecadora. E ainda em Lc 10,38-42 vemos uma mulher contemplativa que, em atitude silenciosa, permanece à escuta do Logos encarnado por seu Mestre Jesus de Nazaré.

Mas é João que mais descreve Maria Madalena. Em João 11,1-46 ela é descrita como uma mulher cuja compaixão e intercessão são eficazes; em João 12,1-8 como uma mulher, ao mesmo tempo, sacerdote e profeta que "unge" aquele que deve morrer; em João 19,25 como uma mulher que enfrenta o revés, o absurdo e a morte, além de ter acompanhado Jesus até sua agonia e morte. E ainda em João 20,11-13 como uma mulher que assume plenamente a perda, que se inclina no túmulo e constata que está vazio.

Com todo este quadro em mente ampliamos a visão e discernimos melhor sobre ela através de seu próprio evangelho, quando a vemos como uma mulher cujo "amor é mais forte que a morte" e, em uma visão, encontra seu Mestre ressuscitado e realiza em si mesma a aliança do masculino com o feminino e. como seu Mestre, torna-se uma humanidade plena, carnal e espiritual, humana e divina. (Ev.Ma p.29, 16-19; p31, 15-25).


De forma a não esgotarmos as possibilidades de compreensão e discernimento sobre esta personagem real e arquetípica apresentamos este documentário que trará muitos esclarecimentos (como leitura histórica complementar, não oficial inspirada) sobre esta enigmática personagem bíblica. Aprecie, reflita e depois deixe suas impressões nos comentários abaixo.

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

links

os melhores blogs evangélicos

2leep.com

top visitas

agregadores

About This Blog

  © Blogger template Shush by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP